Qual o papel do cirurgião-dentista no atendimento do paciente com câncer?

fevereiro 4, 2019
post-pacientecancer-embed-1200x628.png

Lembrando que no dia 04/02 é comemorado o Dia Mundial do Câncer, citamos aqui algumas informações importantes sobre o impacto das terapias contra o câncer na boca dos pacientes submetidos a esses tratamentos.

Sabemos hoje que mais de 9 milhões de pessoas morrem em todo o mundo devido aos diversos tipos da doença e, até 2030, deve ser a principal causa de morte. Um dos principais problemas é que, muitas vezes, a doença é diagnosticada muito tarde. Por isso, o Dia Mundial do Câncer visa conscientizar sobre o diagnóstico precoce e as causas do câncer, que são muitas e podem estar relacionadas ao meio ambiente (hábitos e costumes) ou à predisposição genética.

A cada dia, as pesquisas científicas vêm demonstrando a necessidade de o paciente ser acompanhado por um dentista especializado antes, durante e após os tratamentos de Quimioterapia, Radioterapia de cabeça e pescoço e Transplante de medula óssea, a fim de se prevenir possíveis complicações e agravos bucais, que muito comprometem a qualidade de vida do paciente e até o resultado do tratamento. As complicações orais podem ser evitadas e minimizadas se medidas preventivas forem instituídas precocemente.

O tratamento quimioterápico pode exercer um papel importante no controle ou cura dos diversos tipos de câncer, mas, apesar de todos os benefícios, muitas são as sequelas que esse tratamento pode acarretar, uma vez que o agente quimioterápico não age somente nas células neoplásicas, mas também nos tecidos normais.

A complicação denominada osteonecrose dos maxilares em pacientes com mieloma múltiplo, câncer de mama e próstata com metástase óssea e que fazem uso de bifosfonatos pode ser evitada com uma boa orientação odontológica prévia ao tratamento.

Assim, os pacientes que irão iniciar o tratamento com bifosfonato devem ser informados pelos oncologistas ou dentistas sobre os riscos dessa complicação a fim de preveni-la da melhor forma. Quando o paciente é devidamente orientado pelo seu médico e sua equipe sobre os riscos e cuidados necessários com a cavidade oral, ele aceita bem o acompanhamento do dentista durante todo o tratamento do câncer. Medidas efetivas nos cuidados de higiene oral devem ser implementadas pelo profissional, e alguns procedimentos devem ser realizados antes do início da terapia antineoplásica.

Os principais efeitos colaterais da Quimio e/ou da Radioterapia de cabeça e pescoço na cavidade oral são o aparecimento de lesões inflamatórias e infecciosas, como a mucosite oral, candidíase, herpes, cáries de radiação, além de necroses ósseas, como a osteonecrose e a osteorradionecrose. Alterações salivares e xerostomia (boca seca) também são muito prevalentes, levando ao aparecimento de cáries, doenças periodontais e predispondo as mucosas ao aparecimento de lesões. É muito importante que o dentista avalie a chance do desenvolvimento de xerostomia, mediante a terapia escolhida e que medidas para prevenção e controle sejam tomadas com o objetivo de contribuir ao máximo com o bem-estar e qualidade de vida do paciente.

A mucosite oral é a mais prevalente lesão inflamatória nas mucosas da boca, podendo aparecer como uma simples hiperemia e evoluir para ulcerações dolorosas, semelhantes às aftas. As lesões ulceradas podem gerar infecções sistêmicas, dificuldade de comer, engolir e até de falar, prejudicando muito o tratamento e a qualidade de vida do paciente.

A Fotobiomodulação ou Laserterapia é uma importante ferramenta que utiliza a Luz, entregando energia diretamente às células teciduais, que sofrerão injúria durante a Quimioterapia e Radioterapia, possibilitando o controle da inflamação e dor, acelerando a cicatrização.

A terapia com laser de baixa potência é um dos tratamentos mais recentes e promissores e tem demonstrado reduzir a gravidade e a duração da mucosite oral, aliviando a dor significativamente. A Associação Multinacional de Cuidados de suporte em Câncer (MASCC) e a Sociedade Internacional de Oncologia Oral (ISOO) publicaram recentemente orientações para a prevenção da mucosite oral. A intervenção foi recomendada em pacientes recebendo transplante de células-tronco hematopoéticas com ou sem irradiação de corpo inteiro (nível de evidência II) e em pacientes que receberam radioterapia de cabeça e pescoço sem quimioterapia concomitante (nível de evidência III).

Já está claro que a severidade das lesões orais depende de vários fatores, como a idade do paciente, o tipo de câncer, as condições da mucosa oral anteriormente ao tratamento quimioterápico e radioterápico e o nível de cuidado oral realizado durante o tratamento. Há casos em que será necessário muito tempo para estabilização da condição oral e o dentista precisa discutir com a equipe médica como isso afetará o momento do tratamento ou os protocolos estabelecidos para o paciente.

O profissional inovador deve apresentar uma visão transdisciplinar, discutindo sempre com médicos e outros especialistas qual o melhor tratamento odontológico a ser eleito antes, durante e após o tratamento do câncer, somando competências no cuidado com a saúde global do paciente oncológico pediátrico e adulto. O tratamento odontológico ideal deve ser iniciado pela avaliação do periodontista, que, através de um tratamento periodontal prévio, pode reduzir o potencial de infecções provenientes de sítios periodontais e a severidade das mucosites. A presença do periodontista no atendimento e acompanhamento desse grupo de pacientes faz toda a diferença antes, durante e após o tratamento oncológico, onde os cuidados com a higiene bucal devem ser ainda mais rigorosos.

Vale lembrar também que o momento do diagnóstico e início do tratamento da doença são geralmente bastante conturbados e de muita ansiedade perante o paciente e seus familiares, sendo difícil, por muitas vezes, conscientizá-lo da necessidade de ir ao dentista.

Na INNOVARA, através de uma equipe especializada e atendimento humanizado, planejamos todo o tratamento odontológico necessário e indicado para cada fase do tratamento oncológico, incluindo a laserterapia para prevenir e tratar a mucosite e outras manifestações orais.

Além disso, você encontra a Laserterapia HOME CARE realizada por nossa equipe, caso não se sinta bem o suficiente para se deslocar até a clínica e necessite de maior comodidade. Ainda tem dúvidas? Ligue para nós e agende uma avaliação!


Resp. Técnica: Dra. Tatiana Franco
CRO RJ 21630 | EPAO 369


Av. Armando Lombardi, 1000

Bl. 01 – Sls. 216 e 217
Barra Life Medical Center
Barra da Tijuca – CEP 22640-000
Rio de Janeiro-RJ


(21) 2486 3932 | 2143 0898
(21) 99965 0372

Não aceitamos Convênios


Fique por dentro das novidades da INNOVARA e cadastre-se agora!



Site desenvolvido por Agência Vulpix

WhatsApp chat