Innovara Odontologia Moderna

Saúde bucal e Crianças: como estamos e será que podemos melhorar?

          

dia das crianças

          
          Quando nos referimos à saúde, exercícios físicos e alimentação saudável estão no topo da lista, e, com certeza, essas ações são as primeiras para quem quer prolongar seus anos dourados. Hoje, o conceito de um equilíbrio saudável é sinônimo de vida longa, mas, com um grande diferencial — a “qualidade” dessa vida é o que mais importa, e não só, por quanto tempo estaremos vivos. No entanto, mais uma preocupação deve fazer parte dessa busca — a saúde bucal como complemento da saúde do corpo e da mente.¹

          As doenças bucais podem causar dor, desconforto, limitações e outras condições decorrentes de fatores estéticos, que afetam a vida social, a alimentação, o exercício de atividades diárias e o bem-estar do indivíduo, levando a problemas significativos na qualidade de vida. Além disso, uma pobre condição de saúde bucal pode agravar outras condições graves, como as doenças cardíacas e o diabetes.² Nos EUA, o sistema de saúde Medicaid gasta acima de meio bilhão de dólares anualmente em consultas devido a urgências odontológicas, e que, normalmente, só tratam o sintoma ao invés de abordar a causa do problema.³


          No Brasil, a cárie dentária continua sendo o principal problema de saúde bucal. As crianças brasileiras de 5 anos de idade têm em média 2,3 dentes com cárie e 80% destes dentes não receberam nenhum tratamento.  Aos 12 anos, a doença atinge 56% delas.  Crianças de famílias em desvantagem socioeconômica têm mais lesões cariosas e menor acesso ao tratamento.4 A cárie não tratada pode afetar negativamente a qualidade de vida e gerar dor de dente, dificuldade para comer e dormir, redução do rendimento escolar,  crescimento e desempenho educacional.5

          Outro dado que merece atenção e que tem afetado as nossas crianças é a Hipomineralização de Molar e Incisivo (HMI). Um estudo realizado no Rio de  Janeiro mostrou uma prevalência de 40% de crianças com dentes envolvidos. Uma alteração no esmalte dentário caracterizado pela perda de estrutura leva a exposição da dentina e sensibilidade, fraturas e desgastes acentuados nos incisivos e molares permanentes.6 É importante ressaltar que crianças com HMI podem apresentar uma necessidade de tratamento odontológico até 10 vezes maior que outras sem esta alteração.


          Em relação a maloclusão (dentes tortos, mordidas alteradas), aos 12 anos, 38% das crianças brasileiras apresentam problemas. Em 20% dessas crianças, os problemas se expressam na forma mais branda, 11% têm a forma severa e 7% têm muito severa, sendo esta, a condição que requer tratamento mais imediato, constituindo-se em prioridade em termos de saúde pública. A maloclusão também pode impactar negativamente a qualidade de vida das nossas crianças.7

          O dia das crianças é reconhecido em várias nações ao redor do mundo para homenagear as crianças e a data efetiva de comemoração varia de país para país. Esse dia foi proclamado pela primeira vez durante a Conferência Mundial para o Bem-estar da Criança em Genebra em 1925. Neste ano de 2017, temos muitos motivos para comemorar, pois ser criança é maravilhoso e essa fase merece ser vivida intensamente! Precisamos ficar sempre atentos e repensar em como estamos cuidando dos nossos pequenos. Como odontopediatras, acreditamos que a busca por um tratamento interdisciplinar e baseado em evidências científicas, deve nortear a Odontologia.  Temos a certeza de que a prevenção e a busca da saúde na infância podem ter um efeito transformador em nossas crianças.

Escrito por  Dra. Patrícia Tannure e Dra. Daniele Cassol, odontopediatras da equipe INNOVARAKIDS.


Ref. Bibl.
1. http://www.brasil.gov.br/saude/2014/07/saude-bucal-influencia-qualidade-de-vida-e-inclusao-social
2. Li X, Kolltveit KM, Tronstad L, Olsen I. Systemic diseases caused by oral infection. Clin Microbiol Rev 2000; 13(4):547-58.
3. American Dental Association Health Policy Institute. Emergency Department Use for Dental Conditions Continues to Increase. Available at: “http://www.ada.org.
4. Finucane D. Rationale for restoration of carious primary teeth: a review. European Archives of Paediatric Dentistry 2012;13(6):281–92.
5. Ministério da Saúde. SB Brasil 2010 - Pesquisa Nacional de Saúde Bucal - Resultados Principais. Ministério da Saúde, Brasília, 2011.
6. Soviero V, Haubek D, Trindade C, Matta T, Poulsen S. Prevalence and distribution of demarcated opacities and their squeals in permanent first molars and incisor in 7 to 13-year-old Brazilian children. Acta Odontol Scand. 2009; 67(3): 170–5.
7. Dimberg L, Arnrup K, Bondemark L.The impact of malocclusion on the quality of life among children and adolescents: a systematic review of quantitative studies.

Eur J Orthod. 2015 Jun;37(3):238-47. doi: 10.1093/ejo/cju046. Epub 2014 Sep 11. Review

<< Voltar

Resp. Técnica: Dra. Tatiana Franco | CRO RJ 21630 | EPAO 3695

Altera Centro de Inteligência em Serviços