Innovara Odontologia Moderna

Meu filho(a) usa chupeta e/ou suga o dedo: como interromper esse hábito?!

O hábito é o resultado da repetição de um ato com determinado fim, tornando-se com o tempo resistente a mudanças. Ocorre por trazer sensação agradável e prazerosa e devido à repetição contínua torna-se inconsciente. No primeiro ano de vida, a sucção tem como função a alimentação, além de ser um mecanismo para descarregar energia e tensão, servindo como fonte de prazer e segurança. Se a sucção for exercida de forma satisfatória e agradável tende a diminuir espontaneamente a partir do quarto mês de vida.

Os hábitos de sucção durante a dentição de leite têm pouco ou nenhum efeito a longo prazo. Porém, se houver persistência durante o período da troca dos dentinhos, é provável que provoquem alterações nas estruturas bucais e talvez só poderão ser corrigidas com a instalação de aparelhos. Essas alterações dependerão da duração, frequência, intensidade, posição do dedo/chupeta na boca, idade de término do hábito, padrão de crescimento da criança e grau de tonicidade da musculatura bucofacial.

Vale comentar que se a criança abandonar o hábito durante a primeira dentição, existe a possibilidade de os problemas serem revertidos. Uma mordida aberta anterior, por exemplo, pode fechar. Entretanto esta correção espontânea pode ser atrapalhada pela presença de distúrbios funcionais – originários ou não dos hábitos de sucção – tais como projeção da língua, interposição do lábio, respiração bucal e mastigação unilateral viciosa.

Devemos procurar entender os motivos que podem estar levando à instauração desse vício (insegurança, medo, necessidade de chamar atenção, por exemplo) buscando distraí-la com brincadeiras que ocupem seu tempo ou até mesmo oferecendo ajuda psicológica à criança quando necessário. Nunca devemos criticar, ridicularizar ou aplicar uma punição à criança por sugar o dedo, pois isso pode reforçar o hábito. Devemos elogiá-la intensamente quando não sugar o dedo ressaltando o comportamento positivo e assim a criança tende a descontinuar o hábito. Quando a decisão de abandonar o hábito parte da criança raramente haverá recaídas.

A melhor forma de acabar com o hábito de chupar o dedo é conversar, dar atenção, carinho e muito amor – uma fórmula bem simples que, com certeza, trará excelentes resultados. As Odontopediatras da INNOVARAKIDS estão prontas para ajudar nesta tarefa! E têm dicas importantes para facilitar o processo!

 

Referências:

1.BELL R. A., DEAN J.A., McDONALD R. E., AVERY D. R. Supervisionando o desenvolvimento da oclusão. Em: McDONALD E AVERY. Odontopediatria para crianças e adolescentes. São Paulo: Elsevier. 2011, p. 545-609.
2.CIAMPONI A. L., RODRIGUES C. R. M. D., ZARDETTO C. G. Hábitos parafuncionais. Em: GUEDES-PINTO, BÖNECKER M., RODRIGUES C.R.M.D. Fundamentos de Odontologia: Odontopediatria. São Paulo: Ed. Santos. 2010, p. 357-379.
3.SCHALKA M.M.S., CUNHA S.R.T., LEBER P. M., CORRÊA, M.S.N.P. Hábitos bucais. Em: CORRÊA, M.S.N.P.

 

Equipe INNOVARAKIDS :)

Diagnóstico precoce de alterações do esmalte dentário pelo Odontopediatra

A importância das orientações e uma avaliação criteriosa da cavidade bucal de nossas crianças pelo odontopediatra não é novidade para ninguém.  Este especialista é capacitado para o atendimento de gestantes (pré-natal odontológico), bebês, crianças e adolescentes e tem toda a paciência, carinho e estrutura adequada para isso.

Em se tratando de diagnóstico precoce, uma patologia dentária denominada Hipomineralização molar-incisivo (HMI) tem se destacado rotineiramente nos consultórios. A HMI é uma alteração do esmalte dentário, sem etiologia definida, mas provavelmente relacionada a prematuridade, ou fatores como infecções respiratórias, febres altas e doenças sistêmicas durante os dois primeiros anos de vida. Estudos científicos com crianças brasileiras relataram uma prevalência em torno de 20%, entretanto, um estudo realizado na cidade do Rio de Janeiro observou um dado que merece atenção: 40% das crianças apresentaram a patologia em questão.

Diferente da doença cárie, a HMI não está associada ao fator sócio-econômico e a uma dieta rica em sacarose, já que a mesma se caracteriza como um defeito durante a formação dentária. Normalmente é detectada por volta dos 6 a 7 anos de idade e caracteriza-se por opacidades bem delimitadas (manchas brancas, amarelas ou amarronzadas) e/ou fraturas de esmalte, que podem levar a exposição da dentina, sensibilidade e até mesmo cárie decorrente desta perda de estrutura nos incisivos e molares permanentes.

É importante ressaltar que crianças com HMI podem apresentar uma necessidade de tratamento odontológico até 10 vezes maior que outras sem esta patologia. A queixa estética nos incisivos quando a criança sorri pode ser um motivo pela procura ao dentista, mas nem sempre estão presentes. Os molares afetados necessitam de um recobrimento da superfície e um acompanhamento clínico pois, caso contrário, podem sofrer fraturas extensas levando a necessidade do tratamento de canal ou, até mesmo, a extrações dentárias. O tratamento odontológico de pacientes com HMI engloba desde orientações, acompanhamentos e estratégias profiláticas até procedimentos restauradores de alta complexidade.

A busca por um tratamento interdisciplinar e baseado em evidências científicas norteia a equipe de odontopediatria da INNOVARAKIDS. Temos a certeza de que a prevenção e a busca da saúde na infância podem ter um efeito transformador.

Referências Bibliográficas:

WEERHEIJM, K. L.; JALEVIK, B.; ALALUUSUA, S. Molar-incisor hypomineralisation. Caries Res., v. 35, n. 5, p. 390-391,
Sep-Oct 2001. Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11641576 >

ALALUUSUA, S. Aetiology of Molar-Incisor Hypomineralisation: A systematic review. Eur. Arch. Paediatr. Dent., v. 11, n. 2, p. 53-58, Apr 2010. Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20403298 >. 

SOVIERO, V. et al. Prevalence and distribution of demarcated opacities and their sequelae in permanent 1st molars and incisors in 7 to 13-year-old Brazilian children. Acta Odontol. Scand., v. 67, n. 3, p. 170-175, 2009. Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19253064 >.

JALEVIK, B.; KLINGBERG, G. A. Dental treatment, dental fear and behaviour management problems in children with severe enamel hypomineralization of their permanent first molars. Int. J. Paediatr. Dent., v. 12, n. 1, p. 24-32, Jan 2002. Disponível em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11853245 >.

 

Equipe INNOVARAKIDS.

Meu filho(a) tem cárie, e agora?

O papel dos pais ou responsáveis é fundamental no controle da cárie.  A criança não é capaz de cuidar-se e alimentar-se sozinha e precisa dos cuidados de um adulto. Abaixo, algumas informações importantes aos pais e cuidadores recomendadas pela Equipe INNOVARAKIDS:

• Participe do tratamento. Converse com a criança sobre a importância de cuidar dos dentes. Só assim a criança sente-se estimulada para cuidar da sua saúde e dos seus dentinhos.


• A cárie é uma doença multifatorial e associada a hábitos e comportamentos. Os pais são exemplos para as crianças e devem sempre manter uma adequada saúde bucal e ter bons hábitos de alimentação e higiene.


• A cárie é uma doença açúcar dependente. Deve-se evitar alimentos adocicados e adesivos como balas, pirulitos, chicletes, biscoitos recheados e refrigerantes.


• Dê preferência a alimentos salgados e frutas entre as refeições.


• Durante o dia a criança pode fazer a escovação sozinha. À noite, antes de dormir, a escovação e o uso do fio dental devem ser executados por um adulto (até os 8-9 anos de idade). Deve-se usar sempre pasta com flúor na concentração padrão (acima de 1000ppm).


• A criança deve escovar os dentes antes da consulta odontológica. Quando não for possível, deve trazer a escova para que a higienização ocorra no consultório.


• Uma escovação inadequada leva a lesões de cárie recorrentes em dentes que já foram tratados.  As restaurações ficam escurecidas e os curativos acabam se soltando, prolongando o tratamento.


• As consultas preventivas após o tratamento são fundamentais para o controle da doença. Não deixe de retornar com a criança para a prevenção!


• Os pais devem aproveitar o momento da escovação diária para      observar os dentes de seus filhos. A presença de manchas brancas é indicativa de início de cárie e assim que percebidas as crianças devem visitar o ODONTOPEDIATRA.

 

Até a próxima!

 

Equipe INNOVARAKIDS.

Innovara recebe R-Crio e convidadas para uma tarde de muita informação

Celebrando o desejo em trazer para a clínica todas as novidades da odontologia contemporânea, a diretora e responsável técnico-científica, Dra. Tatiana Franco e sua equipe de odontopediatras, recebeu um seleto grupo de mamães no auditório do Barra Life Medical Center. As convidadas participaram de um bate-papo sobre saúde bucal de gestantes, bebês, crianças e adolescentes e criopreservação: armazenamento de células-tronco extraídas a partir da polpa do dente de leite.

Parceira da Innovara Kids, a R-Crio foi representada pela Dra. Flávia Mendonça, que falou sobre como os tratamentos com células-tronco estão cada vez mais acessíveis e eficazes, por isso, o armazenamento, a multiplicação e a preservação dessas células são uma forma cada vez mais concreta de preservar a saúde das novas gerações. Segundo a Dra. Flávia, essas células apresentam grande potencial de multiplicação para possíveis aplicações em futuras terapias. A possibilidade de aplicação no tratamento de diversas doenças (+ de 80) faz da coleta de células tronco dos dentes decíduos, uma possibilidade de melhora na qualidade de vida do indivíduo.

Fonte: R-Crio.

 

A Innovara Kids é credenciada com a R-Crio e está habilitada para realizar a remoção dos dentes de leite no momento certo e enviá-los para a R-crio para o armazenamento das células tronco e fornecimento de todas as informações necessárias.

Dra. Tatiana Franco e Dra. Flávia Mendonça da R-Crio

 

Dra. Tatiana Franco palestra para convidados

 

Dra. Patrícia Tannure (coordenadora do projeto Innovara Kids)

 

Dra. Aline Borburema Neves

 

Dra. Daniele Cassol Arruda

 

Até a próxima, 

Equipe Innovara Odontologia Moderna.

INNOVARA KIDS: um novo conceito em odontopediatria

Atendimento altamente especializado e personalizado também para os pequenos pacientes. Foi com essa proposta que a diretora e responsável técnico-científica Dra. Tatiana Franco, idealizou a Innovara Kids. A nova marca é focada no atendimento odontológico de gestantes, bebês, crianças e adolescentes, ampliando assim os serviços já oferecidos pela Innovara Odontologia Moderna.

Junto das odontopediatras Dra. Patrícia Tannure (coordenadora do projeto), Dra. Aline Neves e da Dra. Daniele Cassol, o coquetel contou ainda com amigos e colaboradores da clínica, que puderam conferir a estrutura criada para atender as crianças e todas as novidades para o ano de 2017.

 

Confira as fotos!

 

 

Resp. Técnica: Dra. Tatiana Franco | CRO RJ 21630 | EPAO 3695

Altera Centro de Inteligência em Serviços